Pare de falar mal do teu filho!

Pare de falar mal do teu filho!

“Meu filho é muito agitado”, “Meu filho não dorme, ele tem medo” “Meu filho não come”, “Meu filho grita o dia todo”, “Meus filhos só brigam e me deixam quase louca”…

Diariamente escuto muitas mães falando coisas parecidas dos seus filhos, seja por cansaço, por desabafo, por não saberem como lidar com as dificuldades.

Inclusive algumas que eu também faço quando deixo minhas emoções tomarem conta da minha razão.

Enfim, são coisas que (sem querer) as mães falam para ou sobre seus filhos.

Porém, essas reclamações ou esses estigmas inconscientemente acabam virando com o tempo as crenças que as crianças têm delas mesmas.

Afinal, foram os pais, as pessoas que elas mais confiam que deram a ela, então, deve ser verdade.

Por exemplo: “É, realmente no escuro tem monstros, eu não durmo bem, pois sou agitado”.

E muitos desses estigmas ocorrem pelas comparações a outras crianças, mas, saiba que: Comparar e querer que seu filho, se desenvolva, aprenda, se comporte como o filho da amiga, da irmã é não ser capaz de reconhecer e perceber as qualidades da própria criança, suas particularidades, enfim, quem ela é de verdade.

Evite rotular seu filho

É importante ressaltar que a criança aprenderá o que VOCÊ ensinar, então, se ela só fica no celular o que mais ela tem para fazer?

Observe, ela está buscando uma satisfação imediata, uma distração, talvez em seu ambiente nada lhe interesse, não tem atividades, jogos, atenção.

Se ela não brinca sozinha existe um motivo. Se ela não dorme, foram os hábitos que você ensinou ou é a fase da vida que ela está vivendo.

Se ela não come ou come demais é o que ela aprendeu, seja por ter ligado a alimentação a algo ruim, por ter aprendido a comer apenas determinado tipo de alimento, ou ainda, ela pode ter alguma dificuldade (que você deve descobrir).

A criança precisa ser amada incondicionalmente pelos pais para alcançar um desenvolvimento emocional adequado. Ela precisa ser motivada de forma lúdica para compreender uma mudança complexa e aceitá-la.

E jamais os pais devem rotular seus filhos na busca de corrigir comportamentos.

A família deve proporcionar confiança para que a criança tenha coragem de explorar outros territórios.

Seu filho não é ruim, não é um “pestinha” (como escuto muito por aí), pelo contrário, ele é o serzinho que transformou a sua vida, sua forma de olhar as coisas, suas perceptivas de vida.

Ele veio ao mundo para somar, acrescentar e transbordar amor. Porém, o seu desafio é entender os comportamentos dele e EDUCÁ-LO.

Afinal, as crianças não nascem sabendo se algo está errado ou certo, não a culpe pelo que ela não compreende, apenas tome uma atitude e mude o que for necessário.

ESSA MISSÃO É SUA! REFLITA ❤️

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments